Endometriose – principal causa da infertilidade feminina

De acordo com a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia, a endometriose prevalece em até 50% dos casos de dificuldade para engravidar e apenas 5% dos casos são assintomáticos. Cólicas e desconfortos ao urinar podem ser indícios da doença.

Quando o endométrio – tecido que reveste o útero durante a ovulação e normalmente é eliminado na menstruação – cresce para fora da cavidade uterina e invade o peritônio, a membrana que envolve a face interna do abdômen, ele desencadeia uma inflamação chamada de endometriose. Com o tempo, os locais onde as células “grudaram” se inflamam e viram nódulos, que causam dor. Em geral, eles aderem aos ovários, mas podem atingir também o útero por fora, as trompas, o intestino, a bexiga e, em casos graves, os rins e até o pulmão.

Por comprometer o aparelho reprodutor, é a principal causa de infertilidade feminina. O processo inflamatório dificulta a concepção porque provoca aderência entre os órgãos da pelve, complicando a passagem do óvulo pelas trompas, além de promover a liberação de substâncias tóxicas que danificam os óvulos e os espermatozoides.

Os sintomas principais são: cólica forte e dor no fundo da vagina durante a relação sexual. Há casos, porém, em que a mulher não sente dor. A intensidade dos sintomas nem sempre está ligada à gravidade da doença. Não raro, muitas pessoas só chegam ao diagnóstico quando tentam engravidar. Por isso, ao menor sinal de dor, é importante procurar um especialista e investigar a causa. Existe uma crença de que a cólica menstrual é um evento comum, natural, e que, portanto, não estaria relacionada a doença, mas este é o principal sinal de alerta.

Outras manifestações possíveis são alterações no funcionamento do intestino durante a menstruação (ele fica excessivamente preso ou solto) ou dores pélvicas fora do período menstrual e em outras regiões afetadas pela doença – em caso de endometriose na bexiga, por exemplo, pode haver desconforto ao urinar.

Se você reconhece alguns dos sintomas descritos e está tentando engravidar há mais de um ano, converse com seu ginecologista. Quanto mais cedo for diagnosticada e tratada, menor será o impacto na fertilidade. O primeiro passo é procurar um médico especializado no problema, já que os exames e cuidados para controlá-lo são bem específicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *