Gestação e Teste de Apgar – via de mão dupla?

O teste de Apgar trata-se de um método fácil e confiável para determinar os primeiros cuidados com o bebê. Seu objetivo é avaliar características essenciais do recém-nascido. Realizado no 1º e no 5º minuto de vida, o teste baseia-se em cinco critérios: frequência cardíaca, respiração, tônus muscular, prontidão reflexa e cor da pele, que, individualmente, podem receber notas de 0 a 2, somando um total de 10 pontos.

A observação do 1º minuto diz como ocorreu a transição intraútero para a vida fora da barriga e a avaliação do 5º minuto determina melhor as condições do bebê, que já deve estar mais estável. Ao observar o bebê, o pediatra, então, age de acordo com a nota atribuída.

Bebês que têm o resultado de Apgar entre 8 e 10 são considerados saudáveis, com boa adaptação e não passaram por asfixia. Já os que obtêm resultados de 6 a 7 enfrentaram uma asfixia leve e transitória, os avaliados entre 3 e 5 tiveram uma asfixia moderada e de 0 a 3, grave. Especialistas ressaltam que há bebês que podem apresentar alterações após a 2ª avaliação, e as intervenções realizadas dependem da experiência do pediatra.

Além de importante para determinar os cuidados iniciais com o bebê, o teste de Apgar pode significar um prognóstico para saúde da criança. Caso o resultado continue ruim após o 5ª minuto, deve haver uma atenção especial em busca de um diagnóstico que encontre o motivo da baixa pontuação. O bebê pode apresentar cardiopatia ou alteração pulmonar, por exemplo.

Estudos recentes demonstram que mães cujos bebês apresentam uma pontuação baixa no teste de Apgar têm 9 vezes mais probabilidade de serem internadas na UTI. Existe forte relação entre a pontuação do filho e os riscos de a mãe apresentar complicações no pós-parto. Para os especialistas, os resultados são expressivos e reafirmam que a gestação é uma via de mão dupla: o bebê carrega para fora sua história intraútero. Se a mãe tem uma gestação difícil, com hipertensão, diabetes, algum quadro de doença crônica, isso pode afetar o bebê e ele terá chances de ter um início de vida mais complexo. Da mesma forma, a mãe vai necessitar de mais cuidados no pós-parto. Portanto, cuide-se! Se você é gestante, realize o pré-natal e siga as orientações de seu médico sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *