Uma homenagem às Mães que já se foram

Mãe é definitivamente a pessoa mais importante da nossa vida. Quem já a perdeu sabe que a proximidade do Dia das Mães parece despertar aquela dorzinha lá no fundo, que a gente tenta não lembrar pra continuar vivendo. Por isso deixamos aqui uma homenagem, do escritor que soube traduzir de forma brilhante esse amor infinito!

Para Sempre

Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.

Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
– mistério profundo –
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

Carlos Drummond de Andrade

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *